Pages - Menu

Mais de 55% dos estudantes já consumiram bebida alcoólica e 9% experimentaram drogas ilícitas


ABrPelo menos de 1,5 milhão dos 2,6 milhões de estudantes que cursavam o 9.º ano do ensino fundamental em 2015 já tinha consumido bebida alcoólica alguma vez na vida, e 236,8 mil experimentado drogas ilícitas. O número é o maior já registrado, e representa 55,5% e 9% do total, respectivamente, segundo indica Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE ) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 
Até então, o maior porcentual foi registrado em 2012, em que 50,3% dos estudantes entre 14 e 16 anos haviam reproduzido a mesma prática em relação a bebidas alcoólicas e 7,3% usado drogas ilícitas. Segundo aponta a PeNSE, sobre o consumo atual de álcool e drogas ilícitas, 626,1 mil e 110,5 mil estudantes tinham feito uso dessas substâncias nos últimos 30 dias antes da pesquisa, pela ordem 23,8% e 4,2%. 
Pelo menos 21,4% relataram já ter vivenciado algum episódio de embriaguez. Considerando só os estudantes que já experimentaram uma dose de bebida alcoólica, a ocorrência de embriaguez foi de 38,5%. Entre 2012 e 2015, houve aumento de estudantes que já experimentaram drogas ilícitas – maconha, cocaína, crack, cola, loló, lança-perfume, ecstasy e outros. 
EBCMaconha
O consumo atual de maconha foi declarado por 4,1% dos estudantes. Levando em conta os alunos que já usaram drogas ilícitas alguma vez na vida, o consumo atual de maconha foi de 46,1%. Ainda considerando os estudantes que já usaram drogas ilícitas, 5,5% declararam o uso de crack alguma vez nos últimos 30 dias, o que corresponde a 0,5% da população de estudantes pesquisados. 

Já a quantidade de estudantes que já havia experimentado cigarro caiu de 19,6% em 2012 para 18,4% em 2015. A pesquisa mostra diversos pontos interessantes sobre os estudantes jovens brasileiros, dentre eles: 88,6% dos estudantes tinha idade entre 13 e 15 anos, e 51% tinham 14 anos; a rede pública de ensino concentrou 85,5% dos estudantes, ou 2,3 milhões, enquanto 14,5% estudavam na rede privada – 380,4 mil. 
Escolas
Assim, a pesquisa mostra que o uso de drogas foi mais intenso entre os alunos das escolas públicas do que entre os de escolas privadas, 9,3% contra 6,8%. Também apresenta que tanto a experimentação quanto o consumo atual de bebida alcoólica é maior entre as meninas. O indicador de experimentação foi de 56,1% para as meninas e de 54,8% para os meninos, e o consumo atual foi de 25,1% para elas e 22,5% para eles. 

CNM

Dia Nacional de Combate ao Fumo é comemorado nesta segunda-feira, 29 de agosto


29082016_combate_tabagismoMotivado pelos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) adotou o esporte como temática de conscientização para o Dia Nacional de Combate ao Fumo, comemorado nesta segunda-feira, 29 de agosto.
Com o slogan #MostreAtitude: sem o cigarro sua vida ganha mais saúde, a campanha quer atingir principalmente a faixa etária entre 13 e 35 anos. O Inca promove evento de lançamento da campanha na Casa Brasil, no Rio de Janeiro.
A ideia é que o tema estimule a prática de esportes e, assim, influencie na prevenção e na cessação do tabagismo, já que o hábito de fumar atrapalha a execução de atividades físicas.
Pratica de esporteAo consumir produtos que contêm tabaco, os praticantes de esportes diminuem sua performance, principalmente em relação à respiração. Segundo o Inca, enquanto pratica esporte, quem fuma fica cansado com mais facilidade; sofre com falta de ar; tem resistência reduzida e poder de reação mais lento.
Os benefícios de parar de fumar são percebidos rapidamente. De acordo com o Inca, após duas horas sem cigarro, a nicotina deixa de ser detectada na corrente sanguínea, após oito horas, o nível de oxigênio normaliza-se e, até 24 horas depois, os pulmões funcionam melhor. Dois dias depois da última tragada, já é possível perceber melhor cheiros e sabores e, após um ano, o risco de infarto do miocárdio cai pela metade.
NúmerosDados de um levantamento, do Ministério da Saúde, apontam que houve redução de 33,8% no número de fumantes adultos nos últimos 10 anos, sendo que 10,4% da população das capitais brasileiras mantêm o hábito de fumar. Em 2006, o percentual era de 15,7% para o conjunto das capitais.
Os homens permanecem como os que mais fazem uso do tabaco (12,8%), e as mulheres fumantes representam 8,3% do total da população feminina das capitais. Há 10 anos, esse número era de 20,3% entre os homens e de 12,8% entre as mulheres.
O Ministério da Saúde alerta que, apesar da redução do número de fumantes, as doenças causadas pelo tabagismo acarretam aproximadamente 200 mil mortes por ano no Brasil. O tabaco é um fator importante no desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis como câncer e problemas pulmonares e cardiovasculares.
TratamentoA rede pública de saúde oferece medicamentos como adesivos, pastilhas, gomas de mascar (terapia de reposição de nicotina) e bupropiona para quem quiser parar de fumar.
De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde, em 2013, 73,1% das pessoas que tentaram parar de fumar conseguiram tratamento.
Agência CNM, com informações da Agência Brasil e Inca

Confederação publica trilogia de estudos sobre as eleições municipais 2016


Pref. Tibau/RNO mês de outubro está cada vez mais próximo, e com ele, chegam também as eleições municipais. A Confederação Nacional de Municípios (CNM) deu continuidade aos seus estudos e publicou três levantamentos que avaliam o pleito deste ano. Um total de 16.297 candidatos irá concorrer ao cargo de prefeito.
No primeiro estudo, é possível conferir uma análise do contexto geral das eleições nos 5.568 Municípios brasileiros. O material foi elaborado com base nos dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no último dia 22 de agosto e leva em conta apenas as candidaturas a prefeito com situação deferida ou aguardando julgamento pelo órgão.
O segundo material, por sua vez, aprofunda o entendimento acerca do pleito deste ano. Ele apresenta informações específicas onde a disputa se dará entre dois candidatos. Há comparativos por região e também por Estado. Já o terceiro estudo enfatiza os casos onde somente um candidato concorre às eleições municipais.
CNM

Engenho e Cachaçaria Triunfo receberá o Troféu Waldemar Duarte

triunfo

O turismo rural é uma tendência mundial que tem crescido cada vez mais e o Engenho e Cachaçaria Triunfo é hoje um exemplo dessa prática no município de Areia. Foi esse diferencial que levou o produto a ser um dos 11 homenageados pela Abrajet (Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo, na Paraíba), eleita por unanimidade dos votos dos associados como um dos melhores produtos turísticos no Estado.
O Troféu Waldemar Duarte, considerado o Oscar do Turismo paraibano, será entregue aos eleitos durante solenidade que será realizada no dia 16 de setembro, no Sesc Cabo Branco, em João Pessoa. Tudo isso foi iniciado quando os proprietários Antônio Augusto e Maria Júlia decidiram aliar o turismo a produção da cachaça na sede do engenho que fica localizado na zona rural do município.
Atualmente, o local é visitado por cerca de 400 turistas por semana, que vão conferir de perto todo o processo de fabricação da cachaça, degustar as cachaças e os sorvetes de frutas tropicais com leve toque da cachaça triunfo, além de apreciar as belezas do lugar. A história de sucesso desse investimento é relatada pela proprietária Maria Júlia que recebe os visitantes em uma sala para contar a história de implantação da empresa, falar sobre o processo de fabricação da cachaça e depois, conduz os grupos a uma visita pelas dependências do engenho.
A visitação termina com a degustação de lanche com sucos variados, caldo de cana, frutas, sorvete de rapadura com cachaça, e também na lojinha existente que comercializa produtos da Triunfo, souvenirs e entre outros que representam 20% do faturamento da empresa. Para visitar o local é preciso pagar uma taxa de R$ 5, que dá direito à palestra de Maria Júlia e ao lanche. A Triunfo é uma história de amor e superação que se transformou em uma grande empresa, sustentável e responsável.
Sempre inovando, recentemente eles lançaram mais um produto para degustação dos turistas que é a Caipirinha de Colher. Hoje a Triunfo vende mais 250 mil garrafas por mês e a demanda só cresce, inclusive para exportação. São 69 empregos diretos e mais de 1000 indiretos.  A produção vai desde a cachaça descansada em barril de carvalho com graduação alcoólica de 39%, cachaça descansada em barril de umburana com alcoólica de 39%, cachaça composta com canela e graduação alcoólica de 39%, cachaça bidestilada descansada em barril de carvalho com graduação alcoólica de 40,3%, e a cachaça Triunfo Tradicional com graduação alcoólica de 40,3%. A cachaça Triunfo é engarrafada em 12 tipos de embalagens, que vão desde o vidro importada da França ate mesmo a de porcelana branca e azul com impressão em pó de ouro.
As informações são do Turismo em Foco.

A matemática da batalha do impeachment no Senado… 81, 54, 28, 8


impeachment2bbc
Placar eletrônico do Senado só deu más notícias a Dilma; na imagem, votação de 12 de maio, que afastou provisoriamente a presidente
Afinal, a possibilidade de dois terços dos deputados votarem para abrir um processo de impeachment contra a presidente eleita com as duas maiores coligações partidárias da história brasileira soava remota.
Mas o avanço da crise – econômica e política – embaralhou essa equação, e a petista sofreu derrotas nas votações até agora no Congresso.
Confira os números que ditarão o julgamento final de Dilma no Senado, a matemática que pode salvar seu mandato e as combinações que conduziram a presidente ao ponto atual:
81
Essa é a quantidade de votos em jogo no Senado, Casa onde Dilma vem sendo processada e julgada.
O PT e o PC do B, partidos mais fiéis ao governo, somam apenas 11 senadores (10 do PT e um do PC do B). O PSDB tem 11 senadores e o PMDB, 19, dos quais 13 já declararam voto contra Dilma.
54
São os votos mínimos necessários em um julgamento de impeachment para que um presidente da República perca seu cargo em definitivo. O número corresponde a dois terços dos senadores.
Eles terão de anunciar seus votos durante a etapa final do processo, que está sendo presidido pelo presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Ricardo Lewandowski.
55 e 59
Foram os votos contrários à petista nas duas vezes em que senadores analisaram o caso.
Em ambas as vezes, ela precisava do apoio de 41 dos 81 parlamentares para que o caso fosse encerrado – o número corresponde à metade + 1 dos integrantes da Casa.
Na primeira votação, em 12 de maio, quando o Senado decidiu abrir o processo, Dilma obteve apenas 22 votos a seu favor e, com isso, foi afastada para ser processada.
Na segunda votação, em 10 de agosto, o resultado foi ainda pior: Dilma conseguiu apenas 21 votos em sua última chance de evitar o julgamento.
O parecer do relator Antonio Anastasia (PSDB-MG) foi aprovado pelo plenário do Senado e o caso seguiu para o julgamento final.
28
Esses são os votos que a petista precisa ter a seu favor no Senado para manter seu mandato – isso não significa, porém, que todos têm de ser contrários ao impeachment.
Seriam computados nessa conta, além dos “nãos”, eventuais ausências e abstenções.
O número é inferior aos 54 votos necessários para cassá-la de vez, mas, considerando o retrospecto de votações do impeachment, é difícil de ser alcançado.
34
Foram os votos, ausências e abstenções que faltaram para que o impeachment fosse derrotado ainda na Câmara.
Do total de 513 deputados, 342 precisavam ser favoráveis ao afastamento para que o caso avançasse ao Senado.
Houve oposição suficiente à petista e o lado pró-impeachment ainda obteve 25 votos a mais na votação histórica encerrada em 17 de abril.
Na ocasião, 367 deputados defenderam que a presidente fosse julgada, e apenas 137 se posicionaram contra a abertura do processo.
A participação da Câmara no caso terminou ali, mas com um gesto claro de desaprovação à gestão de Dilma.
15 e 14
Relator do impeachment no Senado, Antonio Anastasia (PSDB-MG) produziu dois pareceres ao longo da tramitação do processo na Casa.
Os dois relatórios foram alvo de votação na comissão especial do impeachment, que contava com 21 senadores.
E ambos obtiveram vitórias fáceis: o primeiro, que recomendava a abertura do processo, obteve 15 votos a favor; o segundo, favorável à acusação e ao julgamento, obteve 14.
As duas votações foram interpretadas como termômetro das decisões seguintes na Casa – nas duas vezes em que se manifestou, o plenário do Senado seguiu a comissão e decidiu contra Dilma.
8
É o número de anos que a presidente afastada ficará inelegível caso sofra o impeachment.
Em meses, são 96. Em dias, 2.922. Ao fim desse período, Dilma Rousseff teria 76 anos de idade.
Fonte: BBC BRASIL.com

Dilma é julgada por ladrões e vigaristas, diz ex-marido da presidente afastada



carlosaraujo
O advogado Carlos Araújo, ex-marido de Dilma Rousseff (PT), afirma que a presidente petista está sendo julgada por um bando de ladrões e vigaristas. De sua casa em Porto Alegre, ele concedeu longa entrevista à jornalista, Cynara Menezes, do blog Socialista Morena.
Araújo diz que seu principal sentimento diante do processo de impeachment é da ex-companheira de lutas contra a ditadura é de indignação: “Não tem nada contra ela, é julgada por um bando de ladrões, vigaristas e pessoas sem escrúpulos. Essa é a inversão dos fatores, uma coisa inacreditável. O New York Times publicou uma matéria longa dizendo exatamente isso, é inconcebível. A história vai marcar isso e pode ser ainda na nossa era.”
Polêmico, o ex-militante da resistênca à ditadura diz que o PT quer cristianizar a ex-mulher. “O PT nunca suportou a Dilma. Quer se ver livre dela para atribuir a ela todos os problemas que estão enfrentando”, afirma.
Araújo afirma que parte do poder econômico se voltou contra Dilma, usando recursos e influência para dar suporte ao golpe. “O Trabuco e o pessoal do Itaú a apoiaram, mesmo nessa crise. Quem se voltou contra ela, e essa é uma questão que o Brasil tem que examinar, foi a Fiesp. Foi a Fiesp quem comandou isso aí tudo. A Fiesp vem sendo um baluarte reacionário desde 1932”, denuncia. 
Fonte: Do Brasil 247 - Créditos: blog Socialista Morena.

FRENTE A FRENTE: Dilma fala nesta segunda no plenário do Senado com Lula na plateia


dilmanovadoato620
Dilma Rousseff em ato contra o impeachment na última quarta-feira (24) no Teatro dos Bancários, em Brasília (Foto: Filipe Matoso / G1)
Diante de uma plateia formada por 81 senadores, quatro presidentes e ex-presidentes de partidos, 18 ex-ministros e pelo ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, a presidente afastada Dilma Rousseff apresentará na manhã desta segunda-feira (29) ao plenário do Senado sua defesa no processo de impeachment.
Na semana passada, entre quinta (25) e sábado (27), os senadores ouviram as testemunhas de defesa e de acusação no processo. Ao longo de três dias, os parlamentares fizeram inúmeros questionamentos aos depoentes, colheram informações e pediram esclarecimentos sobre as denúncias contra Dilma.
Conforme a Secretaria-Geral da Mesa, Dilma chegará ao Congresso nesta segunda pela chapelaria, entrada principal dos parlamentares, e se dirigirá à sala de audiências da presidência do Senado, onde o presidente da Casa comanda as reuniões da Mesa Diretora, do colégio de líderes e recebe autoridades.
No local, Dilma poderá estar acompanhada de quem desejar e terá à sua disposição lanches como pão de queijo e misto quente, além dos pratos do cardápio dos restaurantes do Senado, como salada, peixe, carne, arroz e feijão.
Pela programação, o depoimento da presidente afastada começará às 9h e ela terá direito a 30 minutos de fala, prorrogáveis a critério do presidente da sessão, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF).
Após o pronunciamento de Dilma, os 81 senadores poderão se inscrever para formular perguntas à presidente afastada, assim como a acusação – representada pelos autores do pedido de impeachment Janaina Paschoal e Miguel Reale Jr. – e a própria defesa de Dilma – comandada pelo advogado e ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo.
‘Marco político’
Para o líder do bloco que faz oposição ao governo do presidente em exercício Michel Temer, senador Lindbergh Farias (PT-RJ), a presença de Dilma será o “grande marco político” que a presidente afastada precisa para reverter votos e garantir que não haja o impeachment.
“O grande dia será esta segunda-feira. Dilma vai provar a injustiça que está sofrendo porque não houve crime de responsabilidade. Ela quer olhar para cada um dos seis ex-ministros que vão votar a favor do impeachment e vai responder [a perguntas] com dureza. Isso pode ter um impacto gigantesco e pode virar o jogo”, declarou o parlamentar.
Dos 81 senadores que julgarão Dilma, nove são ex-ministros e a tendência é que seis deles votem pela cassação do mandato da petista: Eduardo Braga (PMDB-AM), Edison Lobão (PMDB-MA), Garibaldi Alves (PMDB-RN), Marta Suplicy (PMDB-SP), Eduardo Lopes (PRB-RJ) e Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE). Devem se manter contra o impeachment Kátia Abreu (PMDB-TO), Armando Monteiro (PTB-PE) e Gleisi Hoffmann (PT-PR).
Já o líder do PSDB, Cássio Cunha Lima (PB) acredita que “não há a menor hipótese” de a petista reverter votos com sua ida ao plenário.
“O PT está fazendo filmetes, documentários, peças de propaganda, e a presença dela é só uma cena para esses filmes. Infelizmente, o plenário do Senado foi transformado em set de filmagens e os ‘dilmistas’ não estão mais preocupados com a defesa, mas, sim, com a encenação de um discurso político”, disse.
O pronunciamento da presidente afastada é uma das últimas fases do processo. Após ela falar aos senadores e responder aos questionamentos, os 81 parlamentares terão direito a dez minutos cada para expressar sua posição sobre o impeachment.
Na sequência, ocorrerá a votação final, que poderá resultar na cassação do mandato de Dilma – o presidente do Senado, Renan Calheiros(PMDB-AL), estima que a votação deverá ocorrer somente nesta terça (30) ou até mesmo na quarta (31), conforme o andamento da sessão desta segunda.
Tom do discurso
Afastada do mandato há 110 dias, Dilma passou o último fim de semana no Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência, preparando o discurso que irá ler aos senadores nesta segunda.
Ao G1, senadores aliados dela passaram a defender desde os últimos dias que, em seu discurso ao plenário, Dilma utilize um tom “duro” e “firme”, enfatizando que não cometeu crime de responsabilidade e, portanto, não deve sofrer o impeachment.
Esse grupo de aliados de Dilma, porém, até o fim de semana, mostrava divergências sobre se a presidente afastada deve ou não acusar de “golpistas” os senadores que defendem o impeachment.
Lula
Principal conselheiro de Dilma e responsável por viabilizar a primeira candidatura dela à Presidência, em 2010, o ex-presidente Lula assistirá ao depoimento da presidente afastada no Senado.
Na sexta-feira passada (26), Lula esteve em Brasília e, segundo relatos de assessores e senadores petistas, se reuniu com Dilma no Alvorada.
No encontro, disse ao G1 o senador Humberto Costa (PT-PE), o ex-presidente e a presidente afastada “trocaram avaliações políticas” sobre o processo de impeachment. Lula retornou no mesmo dia a São Paulo e desembarcou em Brasília neste domingo (28).
Conforme o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), o petista não entrará no plenário, mas acompanhará da galeria, uma espécie de mezanino, ao lado de outros aliados de Dilma, como os ex-ministros Jaques Wagner (Casa Civil), Aloizio Mercadante (Educação), Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo) e Miguel Rossetto (Secretaria-Geral).
Para o advogado de Dilma, José Eduardo Cardozo, a presença de Lula “ajudará” Dilma na sessão. O senador Álvaro Dias (PV-PR), por outro lado, adversário do PT, acredita que a ida do ex-presidente ao Senado “não altera em nada a convicção dos senadores ou o processo de impeachment”.
Fonte: Filipe Matoso e Gustavo GarciaDo G1, em Brasília

As primeiras do dia

Tião Lucena


Atende pelo nome de Sérgio Ricardo Ponce de Leon o fiscal valentão do TRE que tirou sangue do idoso de 60 anos Marcos Antônio Alves Bandeira, ontem, ao final da carreata promovida pela candidata Cida Ramos.
**
O fiscal quis parar a força o carro que transportava a candidata a prefeita Cida Ramos, o candidato a vice, Wilson Filho e o governador Ricardo Coutinho. Aconteceu uma pequena confusão e alguém bateu no braço do fiscal, derrubando o celular dele. Aí o homem endoideceu, partiu pra cima do velhinho, deu tanto tabefe nele que só faltou arrancar os pedaços.
**
Alguém disse, defendendo o agressor: Ele foi agredido primeiro. Foi não. No vídeo exibido nas redes sociais o fiscal não leva um croque, um cascudo. Tem o celular derrubado, é fato. Mas ninguém o agride. Agora ele agride, e com força.Seu bandeira ficou com o sangue descendo pelo rosto.
**
Em razão do ocorrido, a coligação ‘Trabalho de Verdade’, encabeçada pela candidata a prefeita de João Pessoa, Cida Ramos (PSB), interpelou judicialmente o fiscal eleitoral por agressão contra um militante e pelo comportamento com o motorista do carro que conduzia a socialista, seu companheiro de chapa, o deputado federal Wilson Filho (PTB), e o governador Ricardo Coutinho (PSB).
**
O ato do funcionário da Justiça Eleitoral foi filmado e ocorreu nas proximidades do Busto de Tamandaré. De acordo com a ação impetrada na 76ª Zona Eleitoral, o fiscal teve um “comportamento destoante de todos os outros demais fiscais dessa Justiça Eleitoral que acompanharam o evento” e estava “visivelmente fora de controle”, agindo “de forma grosseira e arbitrária”.
**
No processo, a coligação pede que todas as medidas cabíveis sejam adotadas para apurar o caso do fiscal que adotou uma conduta que se “contrapõe a atuação respeitosa e diligente de todos os demais integrantes desta Justiça Eleitoral”.
**
Aguardemos o pronunciamento do Tribunal Regional Eleitoral sobre o  fato.
**
Dilma vai depor logo mais no Senado Federal. Vai olhar de frente os ingratos que ela ajudou e que agora lhe dão o troco da maneira mais sacana possível.
**
Cadê o prefeito de Princesa? Sumiu do mapa mesmo.
**
Agora é que o peido vai avoar!

Aliados querem fala dura de Dilma, mas divergem sobre termo ‘golpe’

em 28 de agosto de 2016
PORTALgeraldilma-777x437Aliados da presidente afastada Dilma Rousseff defendem que ela faça um discurso “duro” e “firme” no Senado nesta segunda-feira (29), quando vai ao plenário para se defender no julgamento final do processo do impeachment.
Para senadores ouvidos pelo G1 e para o advogado de defesa, o ex-ministro José Eduardo Cardozo, Dilma deve, além de enfatizar que não cometeu crime, não cair em eventuais provocações de adversários.
No entanto, os aliados da petista divergem sobre o uso dos termos “golpe” ou “golpista” no pronunciamento, com previsão de duração de 30 minutos, prorrogáveis por período indeterminado a critério do presidente da sessão, ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF).
O depoimento de Dilma é esperado como um dos principais atos do julgamento do impeachment. Esta vai ser a primeira vez que ela irá ao Congresso desde que foi afastada da Presidência da República, em maio.
A sessão está prevista para começar às 9h. Após o pronunciamento, Dilma receberá perguntas formuladas pela acusação, pela defesa e por senadores e poderá responder se quiser. Assessores e aliados dizem que a disposição dela é responder.

Cristovam diz que ainda pode mudar o voto

 
downloadO senador Cristovam Buarque (PPS-DF) afirmou neste sábado (27) que ainda poderá mudar o voto até a próxima terça-feira (30), quando o plenário apreciará o impeachment.
Buarque disse que hoje daria o voto pelo impeachment, teria três razões, que não detalhou, mas fez uma condição: “A não ser que acontece alguma coisa entre hoje até terça-feira”,data para a votação final do processo.
O senador concedeu a entrevista ao repórter César Setti, da TV Resistência, na manhã deste sábado (27). Depois da fala no Senado, na segunda (29), a expectativa é que Dilma Rousseff amplie de 31 para 40 votos contrários ao golpe.
Cristovam é uma das principais decepções de Dilma. Ex-petista, deixou a sigla magoado após ter sido demitido por telefone do Ministério da Educação pelo ex-presidente Lula.

Nomes curiosos de candidatos no Pajeú e Brasil afora continuam rendendo pauta

 
Prato de Papa: se nome inusitado desse voto, tava eleito
Prato de Papa: se nome inusitado desse voto, tava eleito
O Globo fez uma matéria sobre nomes inusitados na política disputando as eleições deste ano. Desacreditada, a classe política tem medo de muita coisa — menos do ridículo. Quem se der ao trabalho de compulsar as listas de candidatos a vereadores Brasil afora, encontrará barbaridades.
Às vezes, as alcunhas fazem referência a traços físicos dos candidatos e, em muitos casos, passam ao largo do bom senso esperado de um possível legislador. No meio dos 455 mil candidatos às Câmaras Municipais este ano, esse grupo é fácil de ser encontrado por todo o Brasil.
O Pajeú também costuma ser um celeiro de nomes curiosos. Vasculhando rapidamente aqui, encontramos nomes como Luz Bizorão, Zé Negão, Geneci da Burra, Luiz de Peba, Doido de Zé Vicente, Luiz Bigodão, Beleza e, para este blog, um Hor Concours, que não precisa nem concorrer como o mais inusitado, chamado Prato de Papa, de São José do Egito.
Veja alguns nomes separados pelo O Globo, mais conhecidos por serem inusitados que por necessariamente serem bons de voto:
NOME CIDADE ESTADO PARTIDO
Acumulou Campo Grande MS PTN
Ademar Cem Terra Duque de Caxias RJ PRP
Amilcar o agente 007 São Paulo SP PSDC
Anjo da Guarda São José do Alegre MG PRB
Budega Rondon do Pará PA PP
Bulldog Salvador BA PHS
Cachorrão Rondon do Pará PA PPS
Cal me ajude Salvador BA PTB
Come Folha Porto Seguro BA PDT
Cowboy Urso Manco Curitiba PR SD
Diabinho São Miguel Arcanjo SP PP
Diana a gostosa Porto Seguro BA SD
Doidão Natural Nova Iguaçu RJ PDT
É pela família Porto Alegre RS PEN
Edson somos todos vítimas Rio de Janeiro RJ PTB
Esquisito Bananal SP PEN
Faustão Duque de Caxias RJ PTN
Feio São Luís MA PEN
Felicidade Salvador BA PRTB
Filho do Padre Campo Grande MS PMN
Getúlio Vargas São Paulo SP PC do B
Grande Homem Salvador BA PT do B
Hang Louse São Luís MA PSL
Joaquim, gás, ovo, queijo e pão Rio de Janeiro RJ PDT
Jurandir Satanás Laranjal PR PSL
Lobo Solitário (Toca do Lobo) Belém PA PSB
Macho Salvador BA PTC
Marcio Anhasco Pokemon Balneário Camboriú SC DEM
Mentira Ilhéus BA PMDB
Molezinha Rio de Janeiro RJ PMB
Paulinha Audácia Pura Queimados RJ PROS
PC dos Desejos Queimados RJ PP
Pêlo de Gato Maringá PR PDT
Pintinho de Olaria Rio de Janeiro RJ PMB
Pitimbu Rio de Janeiro RJ PSD
Repolhinho Rio Grande RS PSDB
Rumenique Peitinho de Rola São Fidélis RJ PMB
Satanás Porto Real do Colégio AL SD
Seu Madruga Queimados RJ PSOL
Silvio Santos Campo Grande MS PSD
Socorro Help Belém PA PTC
Uga Uga Salvador BA PTN
Vado Malassombrado Salvador BA DEM
Wilson o indignado Porto Alegre RS PPS
Zaru Pé de Boi Duque de Caxias RJ PHS
Zé Pellin São Paulo SP PRTB

Marina Silva: “impeachment não é golpe”

em 29 de agosto de 2016
20160828114020964934o
Do Diário de Pernambuco
Candidata à presidência derrotada nas eleições de 2014, Marina Silva (Rede) participou neste domingo de um ato em apoio a candidatura de Antônio Campos (PSB) à Prefeitura de Olinda.
Aos muitos militantes que tomaram a Avenida Brasil, em Rio Doce, Marina disse que é grata ao estado de Pernambuco, lembrou de Eduardo Campos e defendeu o impeachment de Dilma Rousseff (PT).
“Temos a oportunidade de fazer a mudança em cada local que a gente vive. O Brasil nada mais é que a soma dos mais de cinco mil municípios”, disse, declarando o apoio ao irmão de Eduardo Campos, o apontando como um “caminho para a mudança”. Ela também declarou apoio à reeleição de Geraldo Júlio, candidato socialista à prefeito do Recife.
Marina aproveitou a oportunidade para alfinetar Dilma Rousseff, por quem foi derrotada nas urnas em 2014. A fundadora da Rede acusou a petista de ganhar sem apresentar um plano de governo “porque não tinha coragem de registrar no papel o que disse verbalmente”. Marina também responsabilizou Dilma pela postura do presidente interno Michel Temer (PMDB).
“Quem botou Temer na linha sucessória de Dilma foi ela própria. Eles que faltaram com a verdade juntos todos esses anos”, disparou Marina, que frisou que não classifica como golpe o processo e impeachment em andamento.
“O impeachment não é golpe, é legal, cumpre com a legalidade, mas não cumpre com a necessidade de passar o Brasil a limpo”, disse, defendendo a suspensão da chapa Dilma-Temer e a realização de novas eleições presidenciais.

Coligação de Cartaxo aciona TRE para tentar barrar participação de Ricardo no guia de Cida


5cd70db9-29ca-4e50-924b-f720e956a8ae
A assessoria jurídica da coligação Trabalho de Verdade informou, neste domingo (28), que a chapa do atual prefeito já protocolou quatro ações na Justiça Eleitoral com o intuito de tentar barrar a participação do governador Ricardo Coutinho (PSB) no guia da candidata a prefeita de João Pessoa pelo PSB, Cida Ramos.
De acordo com o advogado Fábio Brito, coordenador jurídico da coligação Trabalho de Verdade, a participação do governador Ricardo Coutinho no guia eleitoral de todos os candidatos que ele apoia, está garantido pela legislação em até 25% do tempo total nos programas veiculados no rádio e na TV.
“Isso tem que ser respeitado e eu tenho certeza que a Justiça Eleitoral está atenta, por isso, não cairá nos argumentos políticos apresentados pelos adversários”, enfatizou o advogado.
Para o jornalista Walter Galvão, coordenador de comunicação da campanha de Cida, a atitude da coligação encabeçada pelo atual prefeito demonstra claramente o “peso eleitoral” do governador Ricardo Coutinho na cidade que ele governou por dois mandatos consecutivos.
“Ricardo é, indiscutivelmente, a maior liderança política de João Pessoa e da Paraíba, e é nesta perspectiva que os adversários o temem tanto, por ser provocativo no sentido de prometer e cumprir. Ele foi o maior prefeito que esta cidade já teve e promoveu uma revolução de ações em todas os setores da sociedade, que implantaram políticas públicas efetivas. Como governador, Ricardo tem entregado obras que ficarão marcadas na história e no coração dos pessoenses”, enfatizou.
“Já pensou o que seria do trânsito de João Pessoa sem a duplicação da Avenida Pedro II, das alças da Beira Rio, do Trevo das Mangabeiras e do Viaduto do Geisel? O que seria do turismo e eventos de João Pessoa se não fossem a Estação Ciência, Centro de Convenções, reforma e requalificação da Feirinha de Tambaú e do Espaço Cultural?  São por essas e tantas outras ações que até mesmo os próprios adversários reconhecem a força eleitoral de Ricardo”, acrescentou Walter Galvão.
Assessoria

Temer vai privatizar presídios, creches e hospitais

Marcelo Carvalho

O presidente interino, Michel Temer, já definiu quando iniciará o processo programa de concessões em parceria com os estados: será após a viagem que fará à China, para a reunião do G-20. O objetivo é privatizar áreas como hospitais, creches, presídios e saneamento.
Temer quer dar a abertura para o capital privado em todos os setores possíveis, fugindo do formato tradicional de fazer concessões apenas na área de infraestrutura. De acordo com o jornal O globo, os estados receberão uma garantia da União, por meio de seus ativos, para fechar os contratos. O governo estuda usar os Fundos de Participação dos Estados e Municípios como uma segunda garantia para as PPPs darem certo.
“Vamos acabar com o conteúdo nacional exacerbado, que só traz superfaturamento. Só vamos manter aquilo em que formos competitivos. Ao invés de generalizado, será setorizado. Temos que mudar a visão do investimento público, ampliando ao máximo as concessões. Faremos PPPs (parcerias público-privadas) para esgoto, penitenciárias, hospitais e creches, comprando vagas para as crianças. É mais racional do ponto de vista do gasto público”, disse um auxiliar de Temer envolvido nos programas.

Estudante de 15 anos morre afogado na Barragem de Brotas, em Afogados da Ingazeira

Marcelo Carvalho

A guarnição ordinária da Policia Militar de Afogados da Ingazeira foi acionada pela Central de Operações do 23° BPM informando sobre um afogamento ocorrido na Barragem de Brotas por volta das 15h30 deste domingo 28. O policiamento fez deslocamento até a referida barragem, no Bairro Brotas e constatou a veracidade do fato, onde alguns adolescentes que se encontravam com a vítima Erick A. dos Santos, de apenas 15 anos, morador do Bairro Sobreira, tomavam banho, no momento do acontecido relataram que o estudante estava nadando na barragem quando começou se afogar, que, com a ajuda de alguns populares conseguiram retirá-lo do rio, porém ele não resistiu e veio a óbito no local. A ocorrência foi passada à disposição da polícia civil para adoção das medidas cabíveis e o corpo encaminhado para o Hospital Regional Emilia Câmara.
Erick era filho de Joelma do Espetinho do Bairro Sobreira.
Cauê Rodrigues