Dilma nega diálogo com Odebrecht e diz que não pressionou por propina


Pedro Ladeira/Folhapress
BRASILIA, DF, BRASIL, 30-05-2016, 20h00: A presidente afastada Dilma Rousseff participa do lançamento do livro "A resistência ao Golpe de 2016", na UnB. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress, PODER)
A presidente afastada Dilma Rousseff discursa durante lançamento de livro
A presidente afastada Dilma Rousseff reagiu neste sábado (4) e classificou de "calúnia e mentira" a informação de que teria teria conversado pessoalmente com o empreiteiro Marcelo Odebrecht para falar sobre o pagamento de R$ 12 milhões em propina em 2014, na época de sua reeleição.
Em nota divulgada por sua assessoria de imprensa, a petista afirmou que essa tese é "infundada" e que "jamais intercedeu pessoalmente junto a qualquer pessoa ou empresário buscando benefícios financeiros para si ou para qualquer pessoa".
A informação foi divulgada pela revista "IstoÉ". Segundo a reportagem, Dilma se encontrou com Odebrecht entre o primeiro e segundo turno do pleito. Na conversa, ele teria lhe perguntado se "deveria mesmo" efetuar uma doação de R$ 12 milhões "por fora" para o marqueteiro João Santana e o PMDB. "É para pagar", teria respondido a petista. A reprodução do diálogo faria parte das negociações de Odebrecht para sua delação premiada.
"A base desta calúnia seria a suposta delação feita pelo empresário ao Ministério Público Federal. Mais uma vez são veiculadas informações de maneira seletiva, arbitrária e sem amparo factual", diz.
Dilma criticou a reprodução da matéria pela imprensa. "A ofensiva de setores da mídia com o objetivo de atacar a honra pessoal da presidente Dilma Rousseff não irá prosperar. Está fundada numa calúnia. Cabe aos acusadores provarem as várias denúncias, vazadas de maneira seletiva, covardemente trazidas por veículos da imprensa que não têm compromisso com a verdade."
O texto afirma que a presidente afastada tomará medidas judiciais. "A presidente Dilma anuncia que irá tomar as medidas judiciais cabíveis para reparar os danos provocados pelas infâmias lançadas contra si."
"Ela se mantém firme porque sabe que não há nada que possa incriminá-la. Sua trajetória política mostra seu sincero compromisso com as práticas republicanas, o combate à corrupção e a defesa da democracia brasileira", completou.