Como eu vejo esse duelo entre Cássio Cunha Lima e Ricardo Coutinho - Tião Lucena

Tião Lucena



Cássio foi quem começou a briga com Ricardo. O governador deu declarações criticando a aliança que se forma em torno de  Luciano Cartaxo  sem citar o nome do filho de Ronaldo e o senador tomou para si as críticas. Disse que Ricardo não desgruda dele, mas na verdade quem não desgruda de Ricardo é Cassio. A gente notou nessa reação.

Começou, então, o bate boca. Cássio dizendo que o Estado não tem saúde, não tem educação e não tem segurança.

Ricardo respondeu dizendo que Cássio, em vez de ajudar a Capital, desajuda, ao retirar verbas que seriam empregadas em obras que beneficiariam a cidade de João Pessoa. Também afirmou que Cássio tem vergonha de aparecer em público para avalizar o chapão do prefeito.

O jogo está um a zero pra Ricardo.

Primeiro porque foi no Governo de Cássio que os hospitais começados por Zé Maranhão viraram esqueletos imprestáveis, alguns inclusive transformados em currais de gado.

Cássio não pode falar de segurança sem que o povo lembre do nascimento, no seu Governo, dos matadores da moto preta.

Matadores que só exterminavam ex-presidiários em dívida com traficantes de drogas.

No quesito educação, convém lembrar dos transtornos vividos no Governo dele por estudantes sendo transportados em carrocerias de caminhões,um deles sendo responsável pela tragédia que matou mais de 20 crianças e adolescentes na região de Sousa.

E quanto a retirada de verba, não foi outro a dizer que isso estava acontecendo senão o atual ministro das cidades, que confessou ter extornado os 17 milhões empenhados pela presidente Dilma para a construção do viaduto do Geisel a pedido de senadores paraibanos, e que fez isso após passar um final de semana dançando forró no São João de Campina Grande, onde se deixou fotografar ao lado de Cássio em passeios administrativos pelos bairros da rainha.

E por que o senador faltou ao encontro promovido pelo PSDB para anunciar apoio à reeleição do prefeito Luciano Cartaxo?

Pronto,não falo mais nada, o leitor que tire as suas conclusões.