Rodrigo Maia derrota candidato de Temer e é eleito presidente da Câmara Federal


O deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ) foi eleito no início da madrugada desta quinta-feira (14) o novo presidente da Câmara dos Deputados. Maia derrotou no segundo turno o deputado Rogério Rosso (PSD-DF), que era o candidato apoiado por Michel Temer, por 285 votos a 170. Outros cinco deputados votaram em branco. O mandato do sucessor de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) no comando da Casa vai até 31 de janeiro de 2017. Ele prometeu isenção no caso de Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
"Eu não estou aqui nem para ajudar nem para prejudicar o Eduardo", disse.
Filho do ex-prefeito do Rio Cesar Maia (DEM), Rodrigo Maia irá suceder ao deputado afastado Eduardo Cunha, que renunciou à posição na semana passada após ter o seu mandato suspenso em maio pelo Supremo Tribunal Federal (STF).
Dois turnos - Inicialmente prevista para começar às 16h, a eleição do novo presidente da Câmara foi iniciada somente às 17h30, sendo que o quórum mínimo de 257 deputados só foi alcançado por volta das 18h25. A votação durou 32 minutos: teve início às 23h43 e, às 0h15, o vice-presidente da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), que exercia interinamente a presidência, declarou a vitória de Maia.
O deputado do Democratas foi ao segundo turno se dizendo "preparado" para assumir o comando da Câmara e apoiado pelas bancadas do PSDB, do PPS, do PSB e do próprio DEM. Após ser o mais votado na primeira votação, com 120 votos, o candidato democrata conseguiu garantir o apoio dos parlamentares do PR, do PDT, do PCdoB e do PTN durante o intervalo de pouco mais de uma hora entre as duas votações. Maia já tinha vencido Rosso no primeiro turno com uma diferença de 14 votos – o placar havia sido 120 votos contra 106. No segundo turno, conseguiu angariar o apoio de PDT, PCdoB, PR e PTN.
Ao todo, 18 deputados se candidataram para assumir a presidência da Casa, porém quatro deles decidiram retirar o registro: o primeiro-secretário da Casa, Beto Mansur (PRB-SP), a deputada Maria do Rosário (PT-RS) e os deputados Fausto Pinato (PP-SP) e Heráclito Fortes (PSB-PI).
Soluções para a crise
Maia está em seu segundo mandato na Câmara e, em seu discurso na tribuna, defendeu que as soluções para as crises econômica e política atravessadas pelo País deverão sair do Congresso Nacional.
“Quando a Câmara é atacada ou mal defendida, é cada um dos nossos mandatos que atacam”, disse Maia. “Sei que estou pronto para navegar nessa tormenta, que passará. A Câmara, o Congresso e o Brasil são maiores que qualquer crise”, afirmou.
Agradou ao Planalto
Apesar da preferência de Temer pelo candidato derrotado, o resultado da eleição desta quarta-feira não chega a desagradar o Planalto. Para o governo, o mais importante era evitar que o deputado Marcelo Castro (PMDB-PI) chegasse ao segundo turno da disputa.
Ex-ministro da Saúde de Dilma Rousseff, Marcelo Castro era o preferido do Partido dos Trabalhadores para ser o sucessor de Cunha no comando da Câmara, chegando a receber o apoio do presidente nacional da legenda, Rui Falcão, e forçando a petista Maria do Rosário (RS) a retirar sua candidatura horas antes do início do pleito.
Embora o DEM faça parte do governo Michel Temer – detém o comando do Ministério da Educação –, o partido não integra o chamado “Centrão”, que é um bloco informal que reúne siglas mais de centro-direita e que são a base de sustentação do Palácio do Planalto.
No início da gestão Temer, Rodrigo Maia chegou a ser cogitado para a liderança do governo na Câmara, mas acabou preterido pelo líder do PSC, André Moura (SE), aliado de Cunha e imposto pelo "Centrão".
Foi neste episódio que Maia, tido até então como aliado de Cunha, se afastou do peemedebista, que trabalhou nos bastidores para eleger Moura líder do governo.
Temer
Após o resultado, o presidente em exercício usou sua conta no Twitter para parabenizer Maia pela vitória. De acordo com assessores, ele ligou para o celular do deputado, mas não conseguiu falar e deixou recado.
"Parabéns a Rodrigo Maia e sucesso na gestão à frente da Câmara dos Deputados", disse Temer no microblog.
O presidente em exercício ligou, logo após o resultado, para o candidato derrotado, Rogério Rosso. Segundo assessores, ele o parabenizou pelo desempenho na disputa e elogiou a elegância do parlamentar no processo eleitoral.
Waldir Maranhão
Ao dar início à sessão, o presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), fez um breve discurso e afirmou que deixaria o cargo "sem mágoas e rancores e com a consciência limpa e tranquila". Maranhão encerrou sua breve fala com o curioso cumprimento de "obrigado e desculpe".

Fonte ClickPB