Escrava sexual, de 19 anos, atendia cinco clientes por dia e não recebia nada

2lybp989yz_8b28jdnp50_file
Dario Andrade Salomão, de 27 anos, foi preso em sua residência, no município de Camaçari, na região metropolitana de Salvador, acusado de integrar uma quadrilha que alicia mulheres para a prostituição com falsa proposta de emprego, manteve uma vítima como escrava sexual, segundo a delegada Maria Selma Lima, da 16ª DT (Delegacia Territorial) da Pituba.
— Ele estava fazendo, pelo menos essa vítima, como escrava sexual. Ele atraía, oferecendo emprego, a menina com 18 anos procurando o primeiro emprego, era enganada. “Você é muito bonitinha, você tem o corpo bonito, então eu prefiro que você seja modelo”.
Segundo a delegada, uma das vítimas, uma mulher de 19 anos, foi agredida, estuprada e obrigada a fazer uma filmagem mantendo relações sexuais quando foi tirar as fotos para o suposto emprego.
— Depois que ela atendia cinco clientes por dia e não recebia nada, depois de dois meses, ela resolveu abandonar, fugir. Eles foram a casa dela, ameaçar pai e mãe.
Após começar a ser chantageada pelo criminoso, a mulher, junto com a família, procurou a delegacia para registrar queixa contra o suspeito. Ele estava exigindo a quantia de R$ 8 mil para não divulgar na internet fotos e vídeos comprometedores feitos com um celular. O pai da jovem chegou a pagar R$ 5 mil para o homem.
A mulher declarou que conheceu Dario, em junho deste ano, quando respondeu ao anúncio de emprego visto em um site de classificados. A falsa vaga era para trabalhar como vendedora em uma loja localizada no shopping center, no bairro do Itaigara.
R7