Governo corta verba para ampliação de mais de 200 aeroportos, Patos continua na lista



O governo do presidente interino, Michel Temer, decidiu cortar drasticamente o programa de investimentos federais em aviação regional lançado pela presidente afastada, Dilma Rousseff, reduzindo de 270 para 53 o número de aeroportos que passarão por obras de ampliação a partir do próximo ano. Com isso, pelo menos um dos aeroportos que haviam sido contemplados inicialmente pelo programa na Paraíba deve ficar de fora da nova meta.
É o caso do aeroporto de Monteiro que foi excluído, permanecendo apenas o de Campina Grande e o de Patos. Do Nordeste, incluindo os da Paraíba, foram mantidos 17 aeródromos. “Chegamos à conclusão de que não seriam necessários 270 aeroportos para iniciar um programa realista que atenda aos Estados, à demanda e às empresas”, disse à Folha o ministro de Transportes, Aviação Civil e Portos, Maurício Quintella Lessa.
O plano de desenvolvimento da aviação regional foi lançado no fim de 2012 pelo governo petista. A presidente Dilma chegou a avaliar a possibilidade de fazer investimentos em cerca de 800 pequenos e médios aeroportos, mas acabou reduzindo a lista inicial para 270 unidades. O investimento estimado na época era de R$ 7,3 bilhões, mas quase nada saiu do papel nestes quatro anos. Segundo Quintella, a nova lista é “bem mais realista” e adequada à situação financeira do governo federal.