Temer opera e Maia adia cassação de Cunha para depois do impeachment da presidenta Dilma


temer-maia_cunha
Seguindo orientação do Planalto, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), definiu que a votação do processo de cassação do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB) só ocorrerá no dia 12 de setembro, após o impeachment da presidente Dilma Rousseff;  estratégia inclui postergar votação da cassação de Cunha para esvaziar sessão e evitar que o ex-presidente da Câmara faça delação explosiva; delator disse ontem que Cunha sustentava 200 deputados.
JoséDuarteLima