Tropa de choque: dois deputados paraibanos são notificados para depor a favor de Cunha


manoel jr e cunha
Os deputados federais Hugo Motta e Manoel Júnior, ambos do PMDB da Paraíba, foram notificados para depor na ação penal contra o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB). Os paraibanos devem fazer a defesa do correligionário.
Segundo determinação do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), os deputados devem informar em três dias se podem prestar depoimentos nos dias 30 de agosto, 31 de agosto ou 1º de setembro.
O ministro cita que o Código de Processo Penal prevê que parlamentares prestem depoimento “em dia e hora previamente ajustados entre eles e o juiz”. As testemunhas de defesa são obrigadas a falar quando são indicadas por um réu.
“Solicitando aos parlamentares, na forma do art. 221 do Código de Processo Penal, que informem, em três (3) dias, sobre a viabilidade de suas oitivas nos dias 30, 31 de agosto e 1º de setembro de 2016, fazendo escolha da data e horário (matutino ou vespertino) para as declarações, anotando que posteriormente serão informados da confirmação da audiência”, diz Teori em sua decisão.
Além dos parlamentares paraibanos, Cunha indicou como testemunhas de defesa o senador Edison Lobão (PMDB-MA) e os deputados Carlos Sampaio (PSDB-SP), Marcelo Aro (PHS-MG), Alberto Filho (PMDB-MA), Washington Reis (PMDB-RJ), Mauro Lopes (PMDB-MG), Saraiva Felipe (PMDB-MG, Pedro Chaves (PMDB-GO), Felipe Bornier (PROS-RJ), Fernando Jordão (PMDB-RJ) e Flaviano Melo (PMDB-PA).
No processo, Eduardo Cunha é acusado de receber ao menos US$ 5 milhões em dinheiro desviado de contrato de navios-sonda da Petrobras.
No mês passado o deputado Hugo Motta também foi citado como testemunha de defesa de Cláudia Cruz, mulher do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na ação penal a que responde na Operação Lava Jato pelos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas.
PB Agora