Eduardo Cunha chama Manoel Júnior de covarde, hipócrita e frouxo

Tião Lucena

O deputado cassado Eduardo Cunha tocou fogo na política da Paraíba hoje, durante entrevista ao Correio Debate. Para ele, o deputado Manoel Júnior foi um covarde, pois o acompanhou em todos os momentos, foi seu defensor no Conselho de Ética e o traiu, por conveniência política, na undécima hora.Ele também chamou o deputado Aguinaldo Ribeiro de hipócrita e revelou que o filho de Enivaldo esteve com ele até a madrugada da famosa sessão que cassou seu mandato, fazendo contas de quantos votos estariam a favor e quantos estariam contra e no final votou pela sua cassação, numa demonstração de hipocrisia e falta de palavra.
Outro que recebeu crítica de Cunha foi Efraim Filho. Cunha disse que Efraim sempre recebeu dele, como presidente da Câmara, atenções e apoios e o apunhalou pelas costas.
A mágoa maior de Cunha, entretanto,é com Manoel Júnior, de quem não esperava “tamanha covardia” como fez questão de salientar. Ele lembrou que Manoel Júnior era crítico feroz do prefeito Luciano Cartaxo, mas depois "virou seu vice".

O ex-deputado disse esperar que o povo paraibano analise com cuidado esses três deputados e os julgue como merecem.
Por outro lado, Cunha destacou a lealdade dos deputados Wellington Roberto e Hugo Motta, que mantiveram uma só postura durante todo o processo,sem se acovardarem como se acovardou Manoel Júnior e sem serem hipócritas, como hipócrita foi Aguinaldo Ribeiro.