Francisco pede paz para o mundo

Papa Francisco ora pela paz e afirma que
O papa Francisco advertiu que "não existe um Deus da guerra" antes de partir nesta terça-feira (20) a Assis, centro da Itália, para pedir a paz para o mundo em um encontro com líderes de diferentes religiões.
"Não vamos a Assis para um espetáculo. Vamos para orar e para orar pela paz", disse o Papa depois de lembrar durante sua homilia matutina que "o mundo está em guerra e sofre".
"Nos assustamos com alguns atos terroristas, mas isso não é nada comparado com o que ocorre nestes países em que dia e noite caem bombas, assassinam crianças, idosos, homens e mulheres", disse indignado.
"Acreditam que a guerra está longe daqui? Não, está perto, porque afeta todos nós", afirmou o pontífice argentino, depois de prever que a viagem de Assis será um dia de oração, de penitência e, sobretudo, de "pranto pela paz".
Ao término de sua homilia, Francisco partiu de helicóptero a Assis, a cidade de São Francisco, onde líderes de diferentes religiões o esperam para pedir em um ato conjunto o fim dos atentados, da violência e das guerras que atingem todo o planeta.
O Papa permanecerá apenas um dia na cidade do chamado santo dos pobres, durante o qual se reunirá separadamente com líderes da igreja ortodoxa e anglicana, assim como com representantes do Islã e do judaísmo.
A peregrinação a Assis, a 130 quilômetros de Roma, durará poucas horas e contará com a presença de hebreus, muçulmanos, budistas e cristãos de diferentes denominações.
Dia pela paz O dia pela paz, organizado no âmbito do encontro internacional intitulado "sede de paz", não pede apenas o fim das guerras, mas também que a fé não seja utilizada como arma para gerar conflitos.
"O Islã é o mais afetado pelo terrorismo", comentou à AFP o imã Abdelfattah Mourou, vice-presidente do Parlamento tunisiano, entre os presentes.
"Estar unidos é a resposta ao terrorismo que quer dividir. Porque o terrorismo quer desestabilizar nossas vidas, quer levar violência a nossa sociedade", explicou Marco Impagliazzo, presidente do grupo católico Comunidade de São Egídio, organizador do evento.
"Há muita sede de paz, pedem os pobres, as vítimas do terrorismo e das guerras em muitos países do mundo. Queremos ser sua voz", afirmou.
G1.com.br