Promessas de campanha improváveis

Partidos-politicos
Sonho de alguns, pesadelo de outros, essas promessas são, no mínimo, improváveis. Confira a lista:
BOLSA ARMA
Com direito a propaganda com arma na mão, o candidato a vice-prefeito de Goiânia pelo PRP (na época pré-candidato a prefeito), Major Araújo, é o dono do projeto. A ideia é que o município seja um facilitador na obtenção do porte, além de subsidiar a compra da arma. A contrapartida seria o cidadão entrar num cadastro de voluntários que participariam, de alguma forma, no combate à violência.
EXPLODIR A CIDADE
Binladen, candidato a vereador de Diadema (SP) pelo PDT, propõe: ‘Ou a gente muda, ou explode Diadema’. Apesar do nome, Binladen usou a palavra no sentido figurado (ufa) “A única forma de você explodir algo para mudança é você explodir o seu coração de pedra e botar um de carne”, diz na propaganda eleitoral. Que fofo.
QUEIMAR FEMINISTAS
Sim, você leu certo. O candidato a vereador de Natal (RN) pelo PMN, Jaufran Siqueira, postou uma foto de uma casa pegando fogo, com a legenda: ‘Isso é o que vai acontecer com as feministas quando Jaufran 33123 for eleito vereador’. É sério. Mesmo. Em 2016.
ENSINAR COMO SE COMPORTAR EM ENTREVISTAS DE EMPREGO
Além de ser real, o programa tem um nome muito chique: ‘Estilo Social’. Marta Suplicy (PMDB), candidata à Prefeitura de São Paulo é a dona da proposta. Só falta abrir uma vaguinha antes.
DAR GASOLINA PARA TAXISTAS
Para estimular o uso de táxis em São Paulo, o candidato a prefeito Levy Fidélix (PRTB) promete pelo menos um tanque por mês de até 100 litros de gasolina ou álcool para os taxistas.
SALÁRIO MÍNIMO DE R$4 MIL
Está difícil chegar no fim do mês com um dinheirinho na conta? O candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PCO, Henrique Áreas, propõe que a União dê calote na dívida e “pare de pagar os banqueiros”, disse em sabatina.
FIM DO SALÁRIO PARA VEREADORES
Djalvani Fonseca, candidato a vereador de João Pessoa (PB) pelo PTB, propõe acabar com o salário dos vereadores. Segundo ele, ‘no Brasil de antes de 1977 essa era a realidade. Então vamos lutar por isso. Uma proposta à moda antiga.’ Fica a pergunta: se eleito, será que ele vai ter amigos de profissão?

Fonte: Estadão