“Corrupção ultrapassa tudo o que seria imaginável”, diz ministro do STF

Aryel Aquino
R7 - O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso falou do seu assombro com o volume de denúncias que tem vindo à tona nos últimos anos, principalmente como resultado da operação Lava Jato, que investiga a corrupção no país, e defendeu reformas na política e no poder Judiciário.
“A grande contradição é que nós dependemos de mudanças que têm que vir do Congresso”, disse, mas alertou que é necessária uma participação popular, organizada, para que essas mudanças aconteçam.
Barroso criticou também o foro privilegiado, que acaba se tornando uma blindagem para diversos tipos de corrupção. “A prerrogativa de foro deveria ser drasticamente reduzida, para abranger apenas os chefes de poder, e, talvez, os ministros do Supremo”, comentou em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo. 
Em seu quarto ano como ministro – foi indicado pela presidente cassada Dilma Rousseff e aprovado pelo Senado – o ex-advogado e procurador do Estado do Rio de Janeiro, de 58 anos, disse esperar que em breve o País passe por uma campanha incisiva de desjudicialização. “Ninguém pode achar que a vida de um país possa tramitar nos tribunais”, afirmou.