Mídia, enfim, reconhece: economia ainda afunda


temer_recessão
Depois de passar meses incensando a "volta da confiança", a imprensa oficial, que foi avalista do golpe parlamentar de 2016, finalmente reconhece que a economia brasileira segue no atoleiro, sem exibir qualquer sinal consistente de retomada; manchete da Folha, construída a partir dos dados pífios do comércio e da indústria, indica que o Brasil não sairá da recessão antes do primeiro trimestre de 2017, realidade também confirmada pelo Valor; gestão Temer-Meirelles completa 160 dias e, quanto mais o tempo passa, mais difícil é consolidar a tese da "herança maldita".
A dupla Temer e Meirelles, há 160 dias no comando do País e da economia, terá dificuldades para consolidar a tese de que a recessão brasileira é fruto de uma "herança maldita".
O que os fatos mostram é que, desde a posse dos dois, a recessão, em vez de ceder, se aprofundou.
A novidade é que, se antes a mídia oficial, avalista do golpe parlamentar de 2016 vendia esperança e "volta da confiança", ela agora reconhece o estado anêmico da economia brasileira.
Reportagem do Valor desta quarta-feira indica que um PIB trimestral positivo pode ocorrer só em 2017. "O desempenho ruim do comércio e da indústria em agosto e o resultado fraco de alguns indicadores em setembro reforçaram a avaliação de novo recuo do PIB no terceiro trimestre, apontando ainda que a recuperação da economia tende a ficar para o começo do ano que vem. Boa parte dos analistas espera que o PIB tenha uma pequena queda ou fique estável no quarto trimestre, num cenário marcado pela deterioração do mercado de trabalho, endividamento ainda alto de empresas e famílias e crédito escasso e caro", diz o texto.
É a mesma realidade captada pela manchete desta quarta-feira da Folha de S. Paulo. "O fim da recessão econômica, antes previsto para a segunda metade deste ano, corre o risco de ser adiado. Dados mais fracos do que o esperado sobre a atividade divulgados nas últimas semanas têm levado economistas a rever suas projeções", informa o texto, que destaca a queda de 0,6% do varejo e de 3,8% da indústria em agosto.
A realidade nua e crua é que a política do "quanto pior, melhor", executada para promover o impeachment da presidente Dilma Rousseff, provocou a maior recessão da história do País, da qual o "time dos sonhos" de Temer ainda não conseguiu retirar o País.